18/03/2017

{ permitir-se }

Há uns 10 anos atrás fui parar em um estúdio fotográfico, daqueles com fundo branco, várias opções de roupas e acessórios. Lembro das luzes, da câmera e de achar muito divertida a experiência. Guardo o álbum até hoje. Mas o que eu não sabia naquela época era que vários fatores, que viriam a acontecer, me fariam acreditar que eu simplesmente não era bonita. Que eu não deveria perder meu tempo tirando fotos. Que por mais que eu me arrumasse, não faria diferença. Passei anos só prendendo o cabelo por não aceitar o volume. Depois passei anos com o cabelo solto e comprido por achar que eu tinha as orelhas grandes demais. O volume eu resolvia fazendo prancha, todos os dias, por mais calor que estivesse, por mais atrasada para sair que eu estivesse. Passei anos não sorrindo mais para as fotos, pois meus dentes eram grandes, irregulares. Anos com as lembranças de escola, dos colegas me zoando e até mesmo de um dizer pra mim "olha para esta tua cara, como tu é feia". Anos me olhando no espelho e não gostando do reflexo. Anos fugindo das fotos e não acreditando em nenhum elogio. Eu via beleza em tudo, menos em mim.

Ultimamente as coisas tem melhorado e eu já não tenho me sentido incomodada com a minha aparência. Se comparar minhas fotos de hoje com as fotos de um ano atrás, dá pra notar muita diferença. Mas não foi só visual. Fui aprendendo a me aceitar, fui arriscando e deixando de me importar com certas opiniões. As vezes aquele sentimento aparece. "Oi sumido!". E eu preciso ser forte para afastá-lo. É um exercício diário, mas fantástico. A tal da autoestima faz um bem danado, e eu tenho feito o meu melhor para conseguir mantê-la.

E foi numa dessas ondas super boas, que eu decidi me arriscar na frente de uma câmera de novo. Estava super insegura e tímida, mas foi tudo tão sincero, tão natural, tão alegre, que eu consegui me soltar e me permitir viver aquele momento. Sem dúvida alguma é uma experiência de autoconhecimento que eu recomendo a todas e todos.








Fotografia é coisa mais mágica que existe.
Obrigada, Eduarda, por ter feito parte desse momento lindo ♥

06/01/2017

Aos que passaram pela minha vida: obrigada

Se tem uma coisa que eu aprendi nessas 20 primaveras, é que várias pessoas passam pela nossa vida, mas poucas permanecem. E na maior parte do tempo foi bem difícil aceitar que algumas pessoas vão embora -e que isso é normal.

Melhor se não fossem? Talvez. Porém me conforta pensar que cada pessoa possui uma missão conosco e vice-versa. Às vezes essa missão, seja para ensinar ou aprender, é cumprida rapidamente, às vezes leva mais tempo e, às vezes, é uma missão para a vida toda. Nós passamos por inúmeras descobertas e transformações, e essas pessoas fazem parte disso, pelo tempo que for necessário.
O que fica, então? A marca, a memória de uma amizade, de um relacionamento, de risos, conversas, brigas, desentendimentos e a certeza de que tudo isso, de certa forma, nos agregou algo e contribuiu para ser quem somos hoje. 
O jeito é ficar tranquila e aproveitar cada momento, mas também compreender a passagem do tempo e todas as suas implicações, saber dar tchau e ser grata. Se tiver que ir, . Se tiver que permanecer, faremos isso da melhor forma.

03/01/2017

Cabelos coloridos #2

Eu já compartilhei aqui como essa história de cabelos coloridos começou. Foi daquele jeito, só as pontinhas. Mas é claro que eu inventei de querer mais e então resolvi pintar todo o cabelo, desde a raiz! Daí fiz uma descoloração global em casa, e o resultado foi uma base amarelinha e, como eu já havia feito uma descoloração um mês antes com a ajuda de uma amiga, fiquei com os fios elásticos, SHAME! A partir daí eu comecei a seguir um cronograma capilar, e isso me ajudou muuuito (mas vou deixar o assunto para outro post). 
Apesar de ter feito caca, confesso que eu fiquei muito satisfeita em, enfim, deixar todo o cabelo colorido! E essa nova experiência me fez aprender muita coisa, em relação a cuidados, técnicas e claro, a mim mesma e minha autoestima. 

A DESCOLORAÇÃO

Foi a primeira descoloração que fiz por conta e como já disse acima, não deu muito certo devido ao curto intervalo de um processo para o outro. A dica é, TENHA PACIÊNCIA! Trate bem o cabelo e garanta que ele esteja saudável antes de fazer algum outro procedimento. Procure um profissional ou alguém de confiança para ajudar, mas caso queira arriscar, pesquise bem antes (sobre produtos, cuidados pré e pós descoloração, métodos, tempo, quantidade, etc) para evitar maiores problemas e o temido corte químico.
Usei o pó descolorante e ox Ametista da Yamá, que não são exatamente os mais indicados, pois danificam e ressecam consideravelmente o cabelo, mas tudo bem, foi uma experiência válida. A mistura foi na proporção 1:2 e deixei no cabelo por 40 minutos.

ULTRA VIOLET - KERATON HARD COLOR

Assim que descolori usei novamente a Ultra Violet da Keraton. Como o meu cabelo estava bem frágil e poroso, acabou ficando mais ressacado que o normal e a pigmentação não fixou bem em todos os fios, mas a cor ficou muito bonita.

DARK VIOLET - CREATIVE CRAZY COLORS

O primeiro tonalizante desbotou bem rápido, ai resolvi testar o Dark Violet da Alfaparf. PURO AMOR. A instrução na caixa diz para passar com o cabelo molhado, aguardar uns 30 minutos e enxaguar. Quando terminei, o cabelo estava com um cheirinho bem doce de uva e tão macio que parecia que eu tinha passado alguma máscara hidratante!! No começo a cor ficou um pouco diferente do que eu estava acostumada, como dá pra ver na foto, mas logo aquele violeta desbotou para um azul (!!). Eu gostei mesmo assim, mas para quem não curte azul e queira manter o roxo, talvez não seja a melhor opção.

VIOLETA GENCIANA

Neste meio tempo, comecei também a técnica Low Poo, o que me limitou um pouco na escolha dos tonalizantes, então resolvi testar a famosa VG. 
Aquele azul que ficou da Dark Violet não saiu mais do cabelo, e quando usei a Violeta Genciana misturada com creme branco, consegui um tom meio indefinido entre azul e roxo, que eu amei e estou tentando manter. 😍

Deixo claro que essa série de posts não são tutoriais, e sim, experiências que eu tive e quis compartilhar aqui. Mas se precisar de ajuda, pode falar comigo! 

O que vem por aí...

Como citei no post, comecei a seguir um cronograma capilar e a técnica low poo para tratar os fios danificados pelas descolorações. Prometo que farei um post mais completinho falando sobre isso! 
 
Oh, Hello! | A Design